biorefineries: development and perspectives as CCS machines

muito obrigado chave pela introdução gentil e alguns setores não estarem ouvindo aqui eu vou falar então muito sobre tecnologia agora eu sou engenheiro por formação e eu gosto de dizer confessar que eu sou incompetente muitas áreas da energia porque eu fiz um doutorado na frança na área nuclear no brasil trabalhei muito com com petróleo e gás e aí nos últimos anos os últimos 10 12 anos e tem trabalhado no setor de energia principalmente no setor sucroalcooleiro também incompetência se estende se espalha em várias áreas ainda mas eu vou falar muito de tecnologia e o mote central e refinarias quero falar do estágio tov desenvolvimento e das perspectivas num cenário que considerem transição é é a última a transparência na verdade mas esse é o ponto antes de começar a palestra vou gastar algumas transparências alguns slides para contextualizar o problema porque eu acho que isso é muito importante o problema é o que está sendo dito aqui que a nossa economia é a nossa modo de vida inclusive é baseado na emissão de carbono que estava lá armazenados no subsolo e todo o nosso estilo de vida é baseado nisso na verdade 80% da matriz mundial é em cima de de carbono fóssil e se considerarmos é por exemplo o nosso metabolismo cada um de nós aqui participando cerca de 100 watts 120 las a isso é 2500 calorias dividido pelo número de segundos em 24 horas das 120 mais agora se considerarmos toda a energia necessária para estarmos aqui hoje não só os nosso transporte mas também a iluminação ar condicionado a energia para a fabricação das roupas que estão vestindo das cadeiras e do teu próprio prédio isso dá ainda mais de 2 mil watts 2.500 vagas por pessoa então pra vocês verem o contraste 120 watts que o que é necessário para o nosso metabolismo e os 2.500 3 mil watts dependendo de do idh que é pra basicamente sustentar o nosso modo de vida porque quando há muitos milhões de anos atrás morarmos em cavernas e subíamos em abril ainda subimos em árvores né mas é a gente só tinha os 120 watts que é o que a gente tem da alimentação então esse é o problema energia está muito fortemente correlacionado com a qualidade de vida é a solução então é só voltar uma transparência para destacar um aspecto e se então é um modelo é não renovável em fontes não renováveis e positivo em termos de emissão de carbono acabou no forte a solução seria ou uma primeira solução um modelo neutro que eu coloquei aqui de em cima de fontes não renováveis mais neutro porque de alguma maneira e winter certo aquela emissão de carbono fóssil e reinjetado isso receber qüestro isso no subsolo que eu coloquei uma engrenagem que eu quero passar a idéia de uma máquina de captura e armazenagem de carbono esse é o ponto central da minha apresentação porque este modelo neutro em emissão de carbono porém nós já admitimos tem 150 anos aí desde a revolução industrial até agora emitimos uma certa quantidade de carbono portanto contratamos um impacto ambiental pelos próximos 100 200 até mil anos a isso vai se estender uma outra alternativa seria não mais buscarmos por fontes fósseis mas por fontes renováveis que basicamente um sol sol é é único e hidráulica fotovoltaico e térmico solar é obviamente mas é tudo energia solar inclusive petróleo gás e carvão também energia solar ele já solar force one no dia 5 está armazenada no subsolo mas então essa máquina de de conversão de energia busca energia do sol capturadas pela biomassa biomassa deixa caso o mais importante é convertida e emissão de co2 na verdade é aquele co2 foi capturado no início do ciclo então virtualmente um ciclo neutro então é um sistema baseado em fontes renováveis porém neutro a alternativa e esse é o ponto central é seria um sistema renovável e negativo em termos de emissão com a verdade a diferença aqui além dos meus produtos é voltar uma transparência que eu tenho energia algum vetor de energia electricidade ou o combustível e os mesmos compostos químicos ali como saída a idéia nesse

sistema neutro é vou subtraiu um pouquinho dessa energia e vou produzir ser um vetor de carbono por analogia à expressão vetor de energia um vetor de carbono um vetor de carbono na verdade co2 supercrítico eu vou explicar o que é isso que pode ser injetado no subsolo e isso pode ter valor econômico posso gerar receita vendendo se vendendo co2 supercrítico na praça injetado efetivamente no subsolo a questão então se coloca é nesse cenário como as energias renováveis vão poder substituir as energias fósseis e mais ainda a captura de carbono as tecnologias envolvidas na captura e armazenagem de carbono vão permitir que as fontes não fósseis o peru vão permitir que as fontes fósseis possam ser exploradas por muito mais tempo isso é uma questão muito importante que eu gostaria de de responder é ou pelo menos tentar encaminhar né o raciocínio e as bioenergia certamente vão desempenhar um papel muito importante nesse cenário é só para mostrar um número não aguenta preciso pôr números doe fórmula conseguiram pôr na minha apresentação sabe mas só para dar um número não é o mundo hoje consome 500 ex ajax é o ex é 10 a 18 ea produção potencial a passar potencial de produção de biomassa no mundo isso aqui é integral e toda a área agricultável vezes a produção por hectare vez um teor energético médio na biomassa de 1500 ou seja três vezes mais o que se consome de energia hoje então com certeza é um ponto muito importante nessa história e agora sim eu posso começar a minha apresentação minha palestra que é até 2020 refinarias e as biorrefinarias como elas se colocam nestas questões que eu levantei com foco como eu disse a maturidade tecnológica e as perspectivas começando então pra gente falar em temas de falar com números nem falar com propriedade o definiu que seria nossa unidade industrial de referência um modelo agro-industrial agroenergético se você pensar só em energia na verdade é um sistema composto de três em três compartimentos né o três fontes de problemas para quem vive nisso né mas a área plantada a logística de trade de preparar o solo colher e transportar isso até um certo ponto central que é onde vai ser feita a conversão industrial desse desse insumo aqui assim nos produtos que vão gerar receita do meu do meu sistema é bom assim muito grosso modo falando as receitas vão depender do que do volume total de de biomassa processada que é proporcional à área da minha plantação se a área fosse um disco de raio r a minha curva azul que seria a minha curva de receitas ela cresce aproximadamente com o quadrado do fator de escala os custos são proporcionais à área também é quanto à área tenho pra para acolher mas também são proporcionais à distância percorrida por que é preciso cortar isso elevar isso até a unidade central então eles vão crescer grosso modo proporcionais ao cubo do fator de escala portanto eu tenho aqui definido uma região de viabilidade que haja um limite máximo de escala no limite mínimo e dentro desse limite meu meu sistema é viável economicamente que as receitas são maiores do que os cursos é uma heresia falar isso mas com a economia que não é engenheiro mecânico e monagas a falar isso pra vocês mas é assim a minha forma se simples sem ser simplista de entender essas coisas não me perdoe pela simplicidade mas é a minha capacidade aqui tá ok mas é esses limites eles são importantes para a gente colocar os empreendimentos tá então olhando aqui uma uma estatística de todos ou quase todos os empreendimentos em curso em comissionamento em operação até já desmontado de biorrefinaria erbil e finaliza no mundo em particular o foco na tecnologia de segunda geração eu também vou explicar um pouquinho que quero e vou pegar um em particular que é a usina da quintec sim presente no e tem alguns dados aqui e vou comparar um pouquinho com as nossas né peguei essa porque é a maior do mundo porque eu conheço mas então a capacidade de processamento dela no posicionamento agora 40 toneladas por hora previsto

subir para 60 toneladas por hora uma produção de 16 metros cúbicos por ano de etanol e o custo aqui de 200 milhões de dólares que esses números são só para efeito de comparação é o que então tá aqui a foto da da usina e supostamente essa já é uma planta de demonstração portanto ela tá aqui nos limites de viabilidade do negócio possivelmente próximo do limite inferior aqui olhando todas os outros empreendimentos que é essa de crescente não tá aqui ó é esse número 70 toneladas por hora significa que a taxa de processamento é menor que 70 m maior que 60 que é anterior aqui mas pegando as estatísticas de todas as outras usinas a ver não todos mas são 105 que a gente selecionou em 18 países é e com 59 já com o processamento é aferido o estimado tá conversão bioquímica o tema química e comissionamento entre 2008 e 2014 então é um retrato bem atual ali porque tem empreendimentos já bem antigos também mas o fato é que a maioria esmagadora em menos de 10 toneladas por hora de biomassa e o nosso ponto é que nesse caso aqui principalmente aqui depois vou fazer algum comentário essas escalas não são adequadas para por exemplo colocar sob teste os problemas da produção agrícola de matéria prima a um dos maiores fatores de custo é o é o custo da matéria prima na porta na no portão da indústria outra coisa muito importante a logística e na produção e transporte manipulação dos insumos ah eu vou voltar algumas aqui só pra mostrar aqui usina decrescente no por exemplo os caminhões entram aqui pro pelo lado viram faz da de marcha à ré engatada e para lhe com a traseira do caminhão ele depois leva-se meia hora 45 minutos para descarregar o caminhão pois ele sai e vai isso é absolutamente inviável na escala que tem que ser feito para você trabalhar aqui próximo do limite máximo voltando ao comentar dizendo esse cara de viabilidade econômica então por exemplo tem certas coisas que não estão sendo testadas naquela nessa escala como por exemplo a eficiência de biorreatores ou para pegar o exemplo do paulo é por exemplo um avião porque o avião maior gasta menos combustível é simples porque quando você aumenta a escala do avião o volume do avião aumenta com o cubo do fator diz carla e o que seria o atrito do avião o ar que proporcionais à superfície externa do avião aumenta com o quadrado do fatores carro portanto quanto maior for o avião mais volume e tem mais carga você transporta e relativamente menos atrito externo é a mesma coisa não é muito parecida nesses aspectos aqui tá bom então é colocando as coisas em perspectiva eu tenho aqui há uma escala de de maturidade tecnológica nem são os trl sac são os tecnólogos de marines leva os começando um que a idéia na cabeça do cientista tá 23 experimentos de laboratório depois experimentos de bancar dos modelos de engenharia as plantas de demonstração e as plantas e estava completa portanto próximas do limite superior de fiabilidade então se diz é que aquelas plantas estão nesse ponto aqui de fato os números sugerem isso mas eu quero mostrar então que seria o a escala máxima de processamento é uma coisa que nós aqui no brasil temos condição de falar com muita propriedade porque em nenhum lugar do mundo se atingiu escalas como essa que nós atingimos aqui na conversão industrial de é uma biomassa caso de açúcar no vetor de energia no caso do etanol e bioeletricidade então qualquer que algumas usinas essa aqui em goiás acho que vocês não vou ler o mapa conseguindo ler mas a taxa de processamento 2.5 milhões de toneladas de cana por ano só que dá mais ou menos 400 toneladas por hora e méxico depende pouco da duração da safra no local mas dá pra ver que por exemplo a foto eu coloquei essa inclusive uma mãozinha da bp da davis petróleo mas dá pra ver por exemplo como é que a descarga o caminhão com duas carretas eles vêm fazer a curva tem a mesa tombador aqui que se até ao traçado das vias é

estudado porque porque nessa escala você têm que descarregar uma carreta dessa cada cinco minutos porque se não é falta de massa aqui por exemplo explicao os vários elementos do processamento aqui mas a tarefa seria isso né descarregar uma carreta de 40 toneladas em 14 a cada cinco minutos então é o próprio traçado das vias influi muito o que tirar o equipamento de de descarga aqui uma usina em já que se da equipe é 2 milhões de toneladas de cana por hora tá ao produtor por ano ea usina de vap é uma das maiores que eu conheço é esse eu recentemente comissionada interno de brasília é para 3 3 milhões de toneladas por hora então pra vocês terem uma idéia do da escala máxima né essa daqui inclusive já incorpora tecnologias agrícolas aqui que permite vocês têm muito aquele me permite que o custo de logística por exemplo seja diminuída ou não crescer tão rápido eu voltar nesse assunto depois mas então vou tanto né aqui no brasil a gente tem exemplos do que seria a escala máxima é porque a gente chegou lá meio à tentativa e erro desde os anos 70 com foco em meados dos anos 70 mas de fato isso existe então colocando números naquela escala de maturidade tecnológica eu diria o seguinte que 10 toneladas por hora na verdade são os protótipos de engenharia então aquelas nega a maioria das biorrefinarias piloto então nessa faixa que 10 toneladas por hora que é um uma escala que serve para você desenvolver as máquinas e processos por exemplo vou fazer explosão a vapor vou fazer o terno ou filtrar com filtro prensa ou usar uma rosca da amadora são equipamentos que têm tecnologias diferentes e que podem ser testados nessa escala mas não o conjunto com certeza a 100 toneladas por hora já seria para nós aqui se fosse uma usina de cana uma pequena usina é muito pequena tá essa sim então já começa a demonstrar as escalas de conversão por exemplo 100 toneladas por hora já é é representativa do problema de logística que você vai ter por exemplo de caminhões vai crescente no que você chega de caminhão trem nem de 150km dos barcos e direito limite superior hoje para a primeira geração está aí aqui em 100 toneladas por hora de de matéria prima que é pegando a bevap por exemplo é quase isso é para nós pode ser expandida para isso facilmente então é pegando um exemplo do problema que eu tô destacando é o sistema de recepção e prepara o mecânico recepção preparar melhor porque quando você recebe o massa antes de você processá lá você tem que é fazer um preparo mecânico fica picá desfibrar e atingir o que a gente chama de um índice de preparo de 90% isso daí gasta uma boa parte da energia do processo vai é importante nesta fase você ter dois aspectos primeiro a separação e remoção de impurezas tá ea redução do tamanho é o que vai da biomassa o que vai facilitar vai possibilitar a conversão termoquímica subseqüente mas por exemplo se essa parte de separação extremamente importante porque com a mecanização é vem muita terra e pedra junto aqui com a biomassa e partes mecânicas é pedaço da máquina aqui que vai junto com uma faca é um parafuso coisa do tipo isso aí é um problema terrível no processo então se você chega e recebe em fardo por exemplo como é o caso daquela usina da itália que não têm esse processo nenhum é além de ser ineficiente quando visito tempo você não tem né esses procedimentos aqui que tem muito a ver com a realidade e da local de onde você está colhendo isso seria um exemplo é um problema com o pinheiro bravo tem cupinzeiros e acaba indo lá para a cana e normalmente na europa é um tapete nec já cultivada há mil anos então o negócio também já não têm pouco não tem nada mas que o que nós brasil estão fazendo os estão desenvolvendo um sistema que já existe em algumas empresas de separação é a aerodinâmica dessas coisas você separa primeiro você colhe junto palha de cana

e o que você não quer que a terra e pedra e pedaço de máquina vai tudo junto o boleto do jogo botar na carreta bastante eficiente barato é mas aí vai estragar o seu processo a jusante então você desenvolve um sistema de separação que não existe naquelas escolas pequenas então esse é um exemplo aí pra colocar números 45 minutos aqui sem separação era esse o objetivo de qualquer forma no início do projeto e na prática em operação e tem 15 minutos para descarregar uma carreta e fazer a separação das impurezas né principalmente pedras e partes metálicas então o nosso ponto a nossa afirmação provocativas entre aspas é que vai ser necessário um novo ciclo de desenvolvimento tecnológico dentro dessa indústria não é nada novo isso que eu tô falando na verdade a gente viu isso os nossos avós viram isso na indústria do petróleo desde que o hawks ela começou a vender querosene a e ficou rico e tal houve vários ciclos desenvolvimento da indústria de petróleo e as energias competem seriamente com isso porque a indústria do petróleo tem 150 anos e desenvolvimento é e bio energias aí tem muito menos a é nuclear a mesma coisa que minha área de origem na mesma coisa alguém então alguém mostrou fukushima fukushima por exemplo é já é uma indústria nuclear de segurança ativa de tecnologia antiga depois do acidente de chernobyl se criar as usinas de segurança passiva ou seja se você puxar a usina tomada sair correndo ela naturalmente se ao extinguir a reação nuclear então novo estágio de desenvolvimento então é normal que haja a mesma coisa nesse setor a sair das biorrefinarias ok então é eu estou supondo né que esse que esse novo ciclo vai se dar em dois pontos além daquele gráfico primeiro a gente vai ter que voltar para os modelos de conversão os modelos industriais e é é aqui eu espero mais evoluções incrementais aí mais atrás eu vou buscar por tecnologias disruptivas principalmente na área é bioquímica que eu vou não vou me entender que eu vou e detalhes mais à frente tá então como eu disse aí só pra fechar um pouquinho esse quadro é para o que deve evoluir as duas refinarias primeiro é importante é ter em mente que 99% do processamento da biomassa vai ser para a produção dos vetores de energia e 1% da produção de compostos químicos de alto valor aí as receitas eu fiz uma brincadeira por isso que eu pois entre aspas aqui as porcentagens é 50% em campo porque esse não era completa nem chutava só pra dizer mais ou menos quanto é então com relação às receitas 50% seja o setor de energia outros 50% nos compostos químicos e outros 50% intresse carbono queda ponto central da apresentação aqui e para mim e por isso porque não dá assim mais de 100 porque isso aqui como meu eu também tô aprendendo aqui nas outras palestras de pessoas que têm muito mais do que eu que isso aqui é um mercado que depende de um acordo na verdade né porque é uma espécie de condomínio com uma única o único hidrômetro então a gente tem que entrar num acordo para que o todo mundo sabe que mora em condomínio que tem uns o medidor de de água tendência o que é a conta lá em cima porque pelo gastar menos uma vizinha está gastando bastante mas a posição da china nessa história e mais é esse gráfico aqui nessa história se gráfica o histograma das áreas de plantação de todas as usinas de açúcar do brasil de açúcar e álcool do brasil então a média o processamento média 500 toneladas por hora mas a gente observa que a adoção de tecnologias agrícolas mais eficientes está empurrando esse limite para a direita portanto as taxas de processamento vão ser maiores ainda então por exemplo vá passar aqui ó perto de mil toneladas por hora e outras usinas se você pudesse datar os pontos desses programas os mais novos estão aqui ó é uma tendência então a gente não deve mirar os 500 mais 53 mil toneladas por hora e já mais ou menos em aproximação para pouso entrar em mais detalhes no caso da da nossa indústria para ver um pouquinho de rotas tecnológicas agora sim eu vou pra gente diz vai ser um carro me senti um pouco da lama eu vou mostrar compressor bomba tubulação pra vocês né engenheiro mecânico tem esse problema

aqui é aquela escala de viabilidade então para dar números aqui números médios é uma área plantada de 30 mil hectares de um raio médio de 20 a 30 quilômetros e uma taxa de processamento de 500 toneladas de cana por hora só para vocês terem uma idéia essa esses 30 mil hectares é mais ou menos fosse um disco era um raio de 20 a 30 quilômetros mas é pra outro produto que não a cana acácia negra por exemplo é um marido da qual você extrai a casca da qual você extrai tanino para a posição de couro adesivos e tal essa essa distância média que não é 29 c 100 quilômetros porque que o valor do produto é muito maior então os nossos números aqui 30 mil hectares 500 toneladas por hora 500 toneladas por hora então fazendo todas as contas me dá números aqui por exemplo uma usina de cana consiga exportar 50 megawatts de eletricidade produzir 42 metros cúbicos de etanol 35 toneladas por hora de açúcar a vinhaça que têm os números à tarde a apresentação vai ficar disponível novamente mas aqui tem um número importante que é o custo de 200 milhões de dólares mais ou menos uma usina dessa é um valor estimado e aí agora vou começar a colocar as coisas em perspectiva tão primeiro é como eu posso transformar minha usina uma biorrefinaria que a lei lado dos vetores que além do setor de energia e compostos químicos e de crédito de carbono eu posso aproveitar duas coisas a ferramenta o co2 produzido na fermentação e o co2 produzido na condução do bagaço fazendo as contas em cima daquele modelo de referência daquelas taxas de processamento que mostrei na transparência anterior então eu tenho uma emissão de duas toneladas por hora de serviços e obras na fermentação e 89 toneladas por hora de co2 na queima do bagaço se o conselho integrais no ano para uma usina eu tenho com 79 onze de toneladas de co2 por ano se eu considerar que são em torno de 450 usinas no brasil eu vou ter um seqüestro anual de 355 milhões de toneladas de co2 sequestrado ao por ano 355 milhões de toneladas e para colocar em perspectiva as emissões de co2 brasileiras têm em torno de 400 então só o setor sucroenergético tem condição operã sequestraria tá uma quantidade de co2 comparável à as emissões brasileiras tudo bem são só os grandes números mas a questão é como e aí que entra um pouco a tecnologia mas repare o potencial enorme seriam na história o potencial real e seqüestro real de co2 no setor sucroenergético então é o que eu quero mostrar como é que a gente vai evoluir como é que vai transicionar uma usina um generoso indica normal para uma usina integrada a um g2 g que produz etanol 2g por exemplo mas também de produtos químicos e se o sp crítico então colocando as duas usinas ali lado a lado e mostrando alguns números nem aqui eu peguei applause na vertente em guaraci a taxa de produção e processamento 350 milhas por hora pressentindo a 40 canção de 15 metros cúbicos de etanol aqui 16 nesse período que ela fugiu também açúcar 24.4 toneladas por ano ea super aqui não tem açúcar na exportou 21 gravados aqui nada aqui só usa cana-de-açúcar aqui usa palha de trigo mas é para o mundo também resíduos agroflorestais em vermelho mais ou menos o mesmo custo é normal é uma tecnologia nova o curso dela ainda é alto mas a as taxas de produção ainda são bastante diferentes vamos olhar um pouquinho tecnologia e já tô quase acabando está tudo aqui seria a usina tradicional você recebe a cana processo mecanicamente extrair o caldo fermenta de estilo etanol na extração você tem o bagaço que você deságua queima está no processamento se separar para pode queimar também essa queima gerava por esse vapor move uma unidade geradora que produz um excedente de

eletricidade tá e também co2 que a gente pode fazer em cima do esquema que está aí que é o esquema que funcionou hoje 1º colocar uma rota de conversão e de sacarificação da biomassa ou seja a rota 2g segunda geração o objetivo aqui é produzir açúcares fermentáveis cíveis mas que também podem ser usados para a produção de compostos químicos eu vou mostrar tão aqui eu coloco um sistema para produzir compostos químicos de alto valor é por isso que voltei esse monte de cifrão zinho aqui porque de fato aqui a possibilidade de geração de receita é muito grande e aí a parte de sequestro de co2 que eu vou mudar aqui olá eu vou transformar minha cadeira numa caldeira de óxi combustão explicar rapidamente que é isso na verdade eu vou aproveitar pra explicar aqui essa cadeira voltando aqui em causa é tradicional aspirar o motor do nosso carro aspirar caldeira de óxi combustão não eu vou pegar você parar você para oxigênio do ar e vou dar vou queimá lá dentro com oxigênio não pura vou usar o próprio co2 para diluir um pouquinho sua temperatura muito alta mas se eu fizer isso eu queimar com a 2 e se a 2 o que eu tenho aqui é só co2 e água mas nada a água que vem da da queima né então se eu tirar remover sabe comprimir consigo produzir células supercrítico então essa é a parte de captura e sequestro dodô carbono é para voltando aqui de novo esse carbono que supercrítico que para se ejetar no subsolo onde ele veio leia aqui ó da cana que vem da onde vem do campo na reação de fotossíntese que capturou co2 à atmosfera então aqui em algumas é tecnologias sensíveis ou discutidas nesse quadro todo é que ele está cada duas são os processos de tratamento de baixa baixo consumo de energia que esse é um gargalo está a hidrólise enzimática e ligado com isso a bioquímica avançado não falar rapidamente desses problemas porque bioquímica avançado porque é a gente pode dizer que a cam o petróleo verde ou biomassa o petróleo é o trabalho porque você pode fazer plástico pode fazer solvente só que o petróleo é enterrado quilômetros de profundidade as moléculas então tentam aliem a quilômetros de profundidade no subsolo e no caso de o marcelo não tem de errado mas elas estão assim emaranhados no processo numa estrutura que tem várias escalas então começando da planta que eu tenho as células aí na parede celular tem uma trama de fibras e microfibras essas microfibras e fibras estão trançadas em fibras ainda menores aí eu tenho já mais ou menos em um nível molecular a e aí os polímeros a celulose é na verdade um polímero de glicose e pra eu poder fermentar isso por exemplo se eu quiser fomentar tem que poder que brasil com tais políticas para simplificar o entendimento disso eu coloquei uma molécula de lignina e banana é muito simplificado isso eu quero pegar pedaços dessa molécula e usar como o composto químico como fonte um produto que qualquer eu tenho na verdade desmontar e cirurgicamente tem que quebrar ligações específicas como é que eu faço eu não enxergo e se eu tenho eu estou fazendo isso em escala de milhares centenas de toneladas por hora então o problema é mais ou menos como você desmontar o avião e recuperar as partes eu tenho grandes estruturas que eu preciso desmontar com cuidado então tem uma primeira etapa de desmonte das grandes estruturas depois uma segunda etapa que eu vou lá cirurgicamente remova os elementos as partes da molécula que me interessam pro meu processo que vem em seguida é diferente botar 150 quilos de dinamite na região estourar tudo bem não desmonta com ele mas é no nada presta pra mim ela não ficar só na alegoria por exemplo sacarose seu esquentar demais a sacarose que acontece se eu colocar açúcar na panela e botar parando porque acontece fazer caramelo se esquentar demais ele fica amargo não fico então é esse amargura uma substância química que é tóxica para a fermentação não posso deixar isso acontecer no processo ea produção de co2 supercrítico eu tenho a minha caldeira a caldeira ela pega a biomassa a todo vapor só para ter uma idéia do tamanho disse você quer poder ou as caldeiras da revap né no vale do paracatu que é uma caldeira essa esteira que está trazendo

mundial mas ela queima aqui dentro esse é o processo do sistema de tratamento dos gases de aqui dentro tem a geração de vapor mas voltando que esse vapor eu uso num ciclo terminando de produção de energia nessa linha vermelha seria minha é minha linha de distribuição de energia que parte vai pro próprio processo é para todas as outras atividades do excedente ou exportar a idéia para a produção de céu perspectiva é que eu vou gastar um pouco da energia para separar o co2 presente no ar portanto vai ter também um fluxo de hidrogênio se eu queimo isso ora 2m o máximo ter só co2 que eu posso separar águas e para que basta respirar um pouquinho ela condense eu tenho um fluxo de co2 virtualmente puro parte de co2 e seu uso aqui pra para diluir os gases de combustão que esse é o seu queimar um a dois puro a temperatura da chama que vai ser tão alta que o material não vai agüentar então e quem faz o papel disso de gás inerte na atmosfera de nitrogênio e mais um pouquinho da energia vou pegar seu 2o companhia e várias vezes para produzir o seu 2 supercrítico tá que ele sim eu consigo injetar no subsolo mas o que esse é o do s&p crítico se vocês nunca viram uma espécie de maionese aqui tem uma foto de excel dois líquidos aqui é co2 gasoso isso é mais ou menos abaixo do estado crítico então você vê uma separação nítida entre gás líquido se aumenta a pressão aumenta a temperatura é o que acontece é que há digamos assim a fase líquida se torna solúvel na fase líquida pela lei a fase gasosa se torna solúvel na fase líquida ou a densidade da fase líquida é igual a densidade da fase gasosa portanto as duas formam uma espécie de emoção se você pudesse pôr na mão é como se fosse uma maionese com peso da maneira que ela tem bastante intensidade mas o mais importante é viscosidade dessa mané seria absolutamente baixa ou baixíssima muito menor do que tudo que você já experimenta a exclusividade é comparável à de um gás e isso é extremamente interessante para permear na rocha quando você é introduzir a rocha do reservatório no subsolo por sorte o co2 é atingir o estado supercrítico em condições relativamente simples moderadas né 36 37 graus e 70 atmosferas nada muito grande em termos de aplicação da engenharia tá e aí realmente agora quer falar se uma última coisa que até foi mencionado aqui né a questão do xisto mas já sei que tem três transferências eu acabo por que é eu considero isso vai chacoalhar bastante o cenário né então há a aplicação das técnicas técnicas de hidro fratura na exploração de óleo e gás de xisto que eu considero uma tecnologia disruptiva então o primeiro ponto porque discutir em termos de reservas é interessante notar que é bastante bem distribuído no mundo todo todo mundo tem xisto é o brasil tem a argentina tem é tanto com gás de xisto de gaze e tanto óleo preso no xisto quanto gás fez 1 x 1 na verdade acho que tem uma foto aqui ó é uma camada é uma rocha mas que era um uma camada de lama não é matéria orgânica com areia com minerais né isso foi aprisionada no subsolo tá por ter matéria orgânica pode conter gás normalmente uma camada fina e voltar a transparência é então todo mundo inteiro tem lama né eis o problema que existia seguinte o gás ou óleo está aprisionado la de maneira muito forte então não basta você furar que o gasóleo vai permear através da rocha e sair pelo fundo do poço não se fazer alguma coisa mais e essa tecnologia de hidrato não vou entrar no detalhe estão voltando como eu estava dizendo ela tem no mundo inteiro e tem muito interno aí o curso de exploração disso é bastante baixo comparativamente à exploração de reservas é offshore e aí bom quanto o de ator adiantando é ter distribuído pelo mundo todo

essa tecnologia então viabilizou a exploração comercial dessas reservas e tem outras viu bem as areias betuminosas o brasil por exemplo há um tempo atrás uns 10 anos atrás a moda que era os olhos o previsto cosmos ou três coisas em seu olho num balde você vira ele não cai é como se mel gelado imagina se em 30 mil vezes mais caro mas então pegando a tecnologia se ela viabiliza a exploração de uma reserva eles vão atrás alguém falou acho que foi no comentário aqui existe uma rigidez com relação a isso é verdade mas ao longo do tempo isso é reorientado isso nós vivemos isso aqui em relação ao chamado óleo baiano a e existem previsões aqui não é minha é de vittek é posto a referência mas há previsões de que até 2035 os olhos e gás de xisto vão compor 35% da matriz de óleo e vai reduzir de 25 a 40 por cento o preço não se trabalha num cenário e de petróleo a 80 70 dólares o barril e que para isso vai ter para as biorrefinarias e e para as alternativas para renovarmos bom dá pra saber acho meio que sinceramente meio pajelança esse tipo de gol mas sem ofensa a quem fez é uma pessoa muito é um especialista na área e tal mas assim projeções e estimativas mas eu tento ficar sempre no que a técnica no cook é técnico é isso aqui nem que seja como for são reservas finitas e mais você está bombeando carbono fóssil para a atmosfera portanto você está impactando e aí há que haver biorrefinaria entra o papel de ser aquela máquina de captura e armazenagem de carbono realmente como máquinas estão fazendo aqui um mostrando né eu voltei lá sistemas baseados em energia em reservas fósseis infinitas que vai emitir para a atmosfera mas esse co2 e vou capturar e vou rejeitar o sul sol podem ser ideias que cho texturas pode ser fantasioso mas a verdade é que tudo que existe foi sonhado por alguém algum dia muito obrigado