Cyrano de Bergerac – 1950 – Legenda PT_BR

HegoraH Saluto (Aplausos) (aplausos continuam) Feliz daquele que se esconde de pompa e poder nas sombras silvestres ou torre solitária, onde forte zéfiro sopra em suas bochechas coradas… – Palhaço! O rei dos palhaços! Deixai o palco de uma vez! – Quem é? É Cyrano Eu tinha medo dele fazer isso Feliz daquele que se esconde de pompa e poder… – Miserável! Eu não te proibi de aparecer este mês? – Vamos ficar quietos – Silêncio! – Continue Montfleury Feliz daquele que… – Daquele que, com certeza – Burros preferem dizer “Hee-Haw”! Vá embora! Ou eu mesmo devo entrar e ajudá-lo a sair do palco? O quê!? Ainda aí? Onde forte zéfiro sopra em suas bochechas coradas… Suíno gordo, se você ousar respirar mais um zéfiro forte Eu vou arejar suas bochechas para você! Monsieur, vocês não irão me proteger? – Prossiga, prossiga – Vá em frente Senhor, eu não permitirei que você me insulte dessa maneira Sério? Que maneira que você prefere? Quietos, Aí em baixo! – Não vamos tolerar mais isso Continue com a peça, Montfleury (gritos de críticas) A menos que estes senhores se mantenham em seus lugares minha espada pode picar suas fitas Quem é este fanfarrão? Meu primo, senhor Bem, Montfleury, ainda sem saída? – Muito bem, então Eu entro com a faca, a esculpir esta gordura, ganso recheado (música de suspense começa) (clamores da multidão) Eu rogo, não se aproxime de minha bainha Ela pode colocar sua língua de fora para você (gritos de recriminações) Silêncio Eu digo: em silêncio! E eu ofereço um desafio universal a todos vocês: Será que todos que desejam morrer, por favor, poderiam levante suas mãos? Aproximem-se, jovens heróis Eu vou tomar o seus nomes Para o primeiro homem que cair irei construir um monumento Quem será o primeiro da lista? Você, senhor? Não Você? Não, não Ninguém? Ninguém mesmo?

Nem um nome…? Nem um dedo? Muito bem, então eu continuarei Atenda-me, Lua Cheia Eu bato palmas três vezes, assim (três palmas) Na terceira, você vai eclipsar-se Pronto! Um (palmas) Como você se atreve Eu exijo! Eu insisto – Apelo a todos os nobres – Dois! (palmas) Isto é um ultraje Você ouviu? Um ultraje Nada na Terra irá mover-me deste palco Três! (palmas) (risos) Caras senhoras e nobres senhores – Uuu! (risos) Mas, o senhor de Bergerac, Por que você fez isso a nossa Montfleury, um ator admirável? Tenho duas razões, ambas conclusivas Primeiro, ele é um ator abominável, que abocanha seus versos e geme sua tragédia Segundo, Bem, esse é o meu segredo Mas Mas você acabou com a peça! Não é uma boa peça Huh! E o dinheiro deles? Possivelmente você gostaria que fosse devolvido a estas pessoas Sim? Sim Aqui, pegue…! (multidão murmura) Bem, senhor, agora em diante você está autorizados a fechar nossa peças todas noites Nestes termos (risos) Senhoras e Senhores, seu dinheiro será devolvido Passem gentilmente, calmamente Boa noite, boa noite (multidão aceita de bom humor) (até…) Seu primo é um homem extraordinário, Madame Ah, eu concordo Soldado, poeta, filósofo, músico, dramaturgo Todo isso? Sim, e o melhor espadachim em Paris Sério? Bem, eu deveria ter pensado que o Visconde aqui teve essa honra Diga-me, senhora, aquela máscara cômica, aquele nariz, ele vai tirá-lo em breve? Não, senhor, ele mantém E que os Céus ajudem o homem que sorrir para ele Boa noite Oh, senhor! Senhor! Uh, quando você deixará Paris? Sr.? Por que, depois do que você acabou de fazer com Montfleury, Você não sabe que o Conde de Guiche é seu protetor? Quem é o seu? Ninguém Ninguém? Sem patrão? Eu disse não Mas o Conde de Guiche tem um braço longo O meu é mais longo por 90cm de aço Sim, mas Mas, o que assusta Você pode ir agora – Mas – Você pode ir Bem, diga-me, Por que você está encarando meu nariz? Oh, eu não estava encarando Ele te embasbaca? Não é iss… Não é isso, eu tenho cuidado para não olhar Ah, e porque não, se puder dizer? Repugna-lo, então? Mas, não, eu só Será que a cor aparece insalubre para você? De modo nenhum Então, possivelmente, você acha-o apenas um pouco grande? Não, pequeno, muito pequeno, minúsculo! Infinitesimal! O quê? Você me acusa desse absurdo? Pequeno, o meu nariz? Pois é magnífico, meu nariz! Seu cão, seu bolha, cabeça de botão, saiba que eu glorifico este meu nariz! Um nariz grande indica um grande homem, agradável, cortês, intelectual, viril, corajoso Enquanto essa cara sua, essa concavidade apagada, inglória que minha mão direita alcança em você, é tão desprovido de orgulho, de poesia, da alma, do pitoresco, de contorno, de caráter, do nariz, em suma, como aquele que está no fim dessa espinha flácida que meu pé esquerdo… – Oh, socorro! (risos) Agora, este companheiro ficará cansado Ah, ele sopra seu chifre – Bem, ninguém irá colocá-lo em seu devido lugar? Se vocês me permitem Observem Senhor, seu nariz, seu nariz é bastante grande Bastante? Oh, bem É só isso? Bem, é claro, você Ah, não meu jovem, você é muito simplório Você poderia ter dito muitas outras coisas Por que desperdiçar sua oportunidade? Por exemplo, assim Agressivo Eu, senhor, se esse nariz grande fosse meu, Eu gostaria que fosse amputada no próprio local Prático Como você pode beber com tal nariz? Deve ter tido um copo feito especialmente Descritivo É uma rocha, um rochedo, um cabo

Um cabo, melhor dizer, uma península Inquisitivo Uh, o que é esse recipiente, um estojo de barbear ou uma carteira? Gentil Ah, você ama tanto os passarinhos que, quando eles vêm cantar para você, você lhes oferece este poleiro? Cauteloso Cuide-se. Um peso assim você pode lhe deixar com a cabeça pesada Eloqüente Quando assoa ouve-se uivos de tufão e as nuvens escurecem Dramático Quando ele sangra… o Mar Vermelho Simples Eh, quando irão inaugurar o monumento? Militar Cuidado, uma arma secreta! Empreendedor Que anseio para um perfumista! Respeitoso Uh, senhor, eu reconheço em você um homem de partes, um homem proeminente Ou, literário Foi este o nariz que lançou ao mar mil navios? Estas, meu caro senhor, são coisas que você poderia ter dito para dar um pingo de letras ou colorir com graça seu discurso Mas sagacidade não é assim Você nunca teve um átomo E letras, você precisa apenas de três para lhe descrever, A. s… s. [asno] Asno – (Risos) – Você, senhor! Estúpido! Caipira! Besta! Como vai você, e eu, Cyrano Savinien Hercule de Bergerac Visconde, venha Tanta arrogância Este espantalho que Olhem para ele! Sem fitas. Sem laço Nem mesmo luvas! Verdade. Eu carrego meus adereços apenas em minha alma Adornada com obras em vez de fitas Envolvida no meu bom nome, e coroada com uma pluma branca de liberdade Mas Mas, não tenho luvas Uma pena, também Eu tinha uma, a última de um velho par, e que perdi Muito descuidado de minha parte Alguns cavalheiro ofereceu-me uma impertinência Deixei-a… em seu rosto Assim seja! Você morrerá esplendorosamente Ah, um poeta Ah, sim, um poeta como queira Então, uh, enquanto nós lutamos, vou improvisar uma balada para você, e quando eu terminar o refrão skhrch! …uma ferida mortal É mesmo É sim (multidão animada) Balada do Duelo no Teatro de Burgoyne entre de Bergerac, e uh… um bárbaro O que você quer dizer com isso? Ah, isso? O título (risos) Pare. Deixe-me escolher minhas rimas Ok. Aqui vamos nós Lanço meu chapéu de lado, delicadamente Meu braço deixa cair, languidamente, o manto de brilho decorado Então, sacadas as espadas, e no trabalho mergulhado Um Lancelot visitando sua dama em seu salão, Um Spartacus no Hipódromo, Morosamente luto com você seu bobalhão Assim que eu terminar o refrão uma ferida mortal! Onde é que lhe espeto de novo, meu pavão? Não, melhor seria você ter evitado esta intriga Aqui, no coração ou em sua sua fita escandalosa, debaixo do xale de seda, na barriga? Agora, leve como a espuma, vêm minhas pontas flutuantes, prontas para conduzi-lo de volta para a estante, e depois que eu terminar este refrão, uma ferida mortal Ah, faltou uma rima Porque, a luta esta acabando Você se quebrando Você se acovardando Você se amedrontando Você rastejando Como posso dizer autorizo que seja dito algo para apimentar minha cabeça prevenida de uma vida de atum, morte de ferida Algo que apimente meu fantasioso vagar, livre por um tempo até a rima recordar, então, quando eu terminar o refrão uma ferida mortal! Refrão Príncipe, orai para Deus que é o Senhor de todos, que lhe perdoe a alma, pois a hora é chegada afinal Passa! Eu te jogo de lado, esticado Então, quando eu terminar o refrão,

uma ferida mortal! (gritos de congratulações) Senhoras e Senhores, por favor, por favor, não até o show terminar Fechem a casa Um piquete, mas deixem as luzes acesas Nós ensaiaremos uma nova farsa esta noite Esperem Vocês só têm que assistir a uma luta, ou você se arruinou se ouvi-los Pense nos inimigos que você fez, Montfleury, o Visconde, se ele ainda vive, todos aqueles marquêses afetados, o Conde de Guiche Aquele político Ele é sobrinho do Cardeal Há poder lá! E poder aqui Jovem tolo! Tome-me como exemplo 20 anos como capitão, enquanto outros, que só sabem despojar suas forças na corte, balançam bastões de marechal Bem, uh, um dia irei vingar você também Impossível Vamos lá, vamos jantar Jantar? Não, eu não Por que não? Porque eu não tenho dinheiro Mas, a bolsa de ouro Adeus pensão paterna E você tem algum até o próximo mês? Nada Que tolo Sim, mas, que momento – Perdão, senhor Um homem nunca deve passar fome Tenho tudo aqui Por favor Gentil criança, não posso dobrar este meu orgulho Gascão para aceitar tal bondade Mas, eu No entanto, por receio de que posso lhe ferir se eu recusar, vou pegar alguma coisa Uma uva Uma apenas E um copo de água Não, claro E, ah,… meio bolinho Nada mais? Ah, sim Sua mão para beijar Obrigado, senhor Boa noite Idiota Jantar Bebida Sobremesa Mon Dieux, eu estava com fome, abominávelmente Diga-me Qualquer coisa Por que você odeia este Montfleury? Um ator muito ruim Ah, vamos, a razão real, a verdade Aquela cabra gorda que não consegue abraçar a barriga com os braços, ainda sonha em ser docemente perigosa entre as mulheres Suspiros e languidades, fazendo olhos de ovelha de seu grande rosto de sapo Eu odeio ele desde então o dia em que ousou sorrir de Oh, meu amigo, eu parecia ver uma enorme lesma rastreamento sobre uma flor E, o quê? Será possível? Para mim, amar? Eu amo Quem? Posso saber? Quem eu amo? Pense um pouco Pense em mim Eu, a quem a mais simples mulher desprezaria Eu, com esse meu nariz que marcha um quarto de hora à frente Quem deveria amar? Por que, obviamente, deve ser a mulher mais bonita neste mundo Mais bonita? Aos meus olhos sem comparação Espere Sua prima, Roxane Sim Roxane Bem? Por que não? Se você a ama, diga isso a ela Meu velho amigo

Olhe para mim e me diga quanta esperança resta para mim, com essa protuberância Ah, eu não tenho mais ilusões Agora em diante posso me enternecer andando sozinho no breu da noite, através de algum jardim com flores frescas após a bênção da chuva Meu pobre diabo de nariz inala abril E eu sigo com meus olhos, onde um rapaz com uma moça em seus braços passeia em um caminho de prata e eu me sinto de alguma forma Eu gostaria de ter uma mulher, também, caminhando comigo sob o luar, segurando meu braço e sorrindo Então eu sonho Eu esqueço E então eu vejo a sombra do meu perfil na parede Meu amigo Meu amigo Tenho meus dias amargos, me reconhecendo tão feio, tão só Ah, mas a sua esperteza, sua coragem por que aquela pobre criança que acaba de lhe oferecer um jantar, o viu, seus olhos não o evitaram Isso é verdade Bem, então, Roxane, vendo o seu duelo, pálida Pálida? Sim, seus lábios se abriram Sua mão em seu peito, assim Eu vi Fale com ela. Fale, homem Ela pode rir de mim É a única coisa neste mundo que tenho medo Perdão, Monsieur, há uma senhora lá fora perguntando pelo sr Monsieur Uma ama Tenho uma mensagem para você de… uma certa dama Ela deseja saber quando e onde ela pode vê-lo em particurlar Ela tem certos assuntos para lhe falar Determinadas Coisas! Ela quer me ver? Nós vamos amanhã ao amanhecer para assistir a missa em St. Rupe E depois, onde você sugeriria? Bem, então, eu – Onde? – Então? Ah… eu estou pensando E você pensa? Onde? A loja de Ragueneau Sim, sim, Ragueneau, o confeiteiro Qual endereço? Rua Saint Honoré Ah… Rua Saint Honoré Estamos de acordo. Às 7 horas Até então. Adieu Eu estarei lá Eu! Querem me ver! Ah, nem tão sombrio Afinal, ela sabe que eu existo Imagine, ela quer me ver! Então, agora você vai ficar feliz? Feliz. Eu vou ser uma tempestade Uma chama! Eu preciso combater exércitos inteiros sozinho! Eu tenho dez corações! Tenho uma centena de braços! Sinto-me demasiadamente forte para guerrear com mortais! TRAGAM-ME GIGANTES! Silêncio, por favor, shhh Estamos ensaiando aqui Desculpe-me Cyrano Cyrano Ragueneau Oh, graças a Deus você ainda está aqui Bem, qual o problema Eu receio ir para casa Por quê? Sabe aquelas versos cômicos que escrevi? Sobre a Congregação Cyrano, eles contratou bandidos Valentões Uma centena, à minha espera no caminho de casa Eles vão me bater Encarcerar-me! Por favor, me permita passar a noite com você! Uma centena de homens, isso é tudo? Ragueneau, você irá para casa esta noite Mas eles estão armados Eles são assassinos! Tome esta lanterna Ande, marche Eu diria que sou o homem para levá-lo para sua loja Você não, não quero sua ajuda Ainda mais contra uma centena, você está louco Essa é a superioridade que eu quero Porque por este confeiteiro? Primeiro, porque este confeiteiro é um amigo meu Em segundo lugar, porque este confeiteiro também é um poeta E, mais importante, Se alguma coisa deve acontecer a este confeiteiro, amanhã de manhã, às sete, sua loja será fechada Boa noite (um assovio)

Cyrano. Socorro! Olhe atrás de você! Eu fui roubado – Não há centena aqui É, é, é Rápido. Entre Fecha a porta! Ah! Yah! (bandidos gritando) Ah! Awk (bandidos gritando) (Le Bret) – Cyrano! – Espere! Ah Como você se sente? Oh, agradavelmente extasiado – Vamos, eu conheço uma taverna perto – Onde está Ragueneau? Ragueneau? Ragueneau! Garotinho, saia Tudo está bem! – Acabou? – Acabou Sério? Tão cedo? Ha, ha, ha Ah, se ao menos eu tivesse a minha espada Quantos nós matamos? Oh, cerca de oito Oito Oito! Ohhhh Este… senhor começa a me irritar Não. O molho e carne devem rimar. Uma pitada de calêndula e tomilho, adicionar Sua casa, é claro, precisa de forte telhado. Eh? Isso está fadado Cyrano Cyrano Entre e coma – Que horas são? – Quase sete Oh, vamos, por favor, Cyrano Um homem sem café-da-manhã é como Não Será que ela mudou de ideia? Ah, ela não se atreveria Estávamos magníficos noite passada

E no teatro, também ‘Então, quando eu terminar o refrão’ Quando ela chegar… onde podemos conversar sem sermos perturbados? Onde você quiser Minha loja é sua A pequena sala de jantar é bastante romântica ‘Uma ferida mortal!’ Deuse, que verso – ‘Então, quando eu terminar o re…’ – Desapareça – Uh, huh, ela vem? – Shhhh Juro Bem-vinda – Perdão, uma palavra – Oh, sim? Você tem uma boa digestão? Oh, maravilhosa Eh, aqui estão algumas éclairs Uh, bolinho de creme Alguns, uh, rosquinhas de geléia E você gosta de natureza? Eu adoro Vá para fora e coma estes ao sol Não retorne Mas por quê? Até que você tenha terminado com eles (fora) – O que farei então? (porta se fecha) Abençoada entre as outras, a hora em que você se lembrou de se lembrar de mim, e veio me dizer… o que? Dizer-lhe que Antes eu ousar dizer-lhe eu Você, eu me pergunto, ainda é o mesmo irmão mais velho que costumava ser quando éramos crianças, brincando pela lagoa no antigo jardim lá embaixo? Em Bergerac Aqueles verões adoráveis Você fazia juncos de espadas E você, dentes-de-leão, cabelos dourados Naqueles dias eu podia contar-lhe tudo E você fazia tudo o que eu desejava Pequena Roxane, um doce condado com saias curtas e cabelos compridos Eu era bonita? Não muito simples Às vezes, quando você tinha caído ou machucava sua mão, você costumava vir correndo para mim, e gostava de ser sua mãe e dizer: Oh, com uma voz muito adulta, ‘E agora, o que você tem aprontado?’ ‘Deixe-me ver.’ – Oh! – Não é nada Espere, deixe-me ver Ainda assim. Na sua idade? E agora, como você fez isso? Brincando com os garotos mais velhos na Place de Neanne Venha cá Tal qual uma mãezinha sabida E diga-me, enquanto eu lavo este sangue, com quantos você brincou? – Oh, cerca de cem – Cem? – Mais ou menos – Não pode ser Não Diga-me o que você gostaria de me dizer Se você se atreve Eu acho que me atrevo agora Parece como aqueles dias felizes de há muito tempo Sim, eu me atrevo Ouça… Eu amo uma pessoa Sim? Alguém que não sabe Sim? Alguém que me ama também mas tem medo de mim e se afasta e nunca diz uma palavra Sim Queira dar a minha mão Como está quente Sim, ele me ama Tenho certeza disso Sim E ele é um soldado também, no seu Regimento, na sua Companhia Sim Que homem Ele é orgulhoso, nobre, jovem, corajoso, lindo! Lindo Qual é o problema? Oh, nada É a minha mão Eu o amo Isso é tudo E eu nunca o vejo em qualquer lugar, exceto no teatro Vocês nunca se falaram? Apenas com os nossos corações Bem, então, como você sabe? Bem, as pessoas falam de pessoas, e ouço coisas, e e eu sei Você diz que ele está na guarda? Seu nome? Barão Christian de Neuvillette Você o conhece? Ele não está na guarda Sim, desde a semana passada Ele apenas recentemente chegou a Paris da Normandia Tão cedo Tão cedo nós perdemos nossos corações O que (porta se abre) – Monsieur de Bergerac – Eu comi todos os doces Ótimo. Agora vá desfrutar da natureza Mas minha querida, você ama apenas palavras, galanteio, poesia Bem, pelo o que se sabe, o homem pode ser um selvagem ou um tolo Não com aqueles olhos Eu li sua alma neles Sim, nossas almas estão escritas em nossos olhos E você me trouxe aqui para me dizer isso? Eu ainda não percebi muito bem, senhora, o motivo de sua confiança Dizem que em sua Companhia, vocês são todos Gascões. Isso me assusta Nós procuramos briga com qualquer estranho que se intrometa É isso o que você ouviu falar? – Eu tenho tanto medo por ele – Não sem razão

E eu pensei que você é você quem todos respeitam e temem Você quer eu defenda seu barãozinho? Você faria isso? Só para mim Porque eu sempre fui sua amiga E é isso que você quer de mim? Você será amigo dele? Eu serei amigo dele E nunca deixe-o lutar um duelo Não, nunca Promete? Eu prometo Oh, obrigada. Obrigada Eu sabia que podia confiar em você Bem, agora devo ir Oh, você nunca me contou sobre noite passada Pois, você deve ser um herói Escreva e me conte tudo, e sobre ele Oh, você é uma graça Nós somos grandes amigos, não somos? Ele deve escrever para mim Cem homens contra um Você deve me contar toda a história algum dia, quando tivermos tempo Uma centena de homens Que coragem! Já fiz melhor Bem? Vamos deixar este lugar Mas toda a Companhia está a caminho daqui Oh, não Estão atrás de mim. Naturalmente, eu contei a eles tudo sobre a noite passada Eles estão exaltados Aqui estão eles – Sim, mas, por que você o fez? – Talvez eu possa detê-los Não tem importância Cyrano! (cumprimentos e elogios ao Cyrano) Oito mortos na rua Escandaloso Você conhece minhas ordens contra o duelo, sobrinho Espero tê-lo reforçado Além disso, gostaria de saber quem foi responsável na última noite, pelo ultraje na Place de Neanne Eu compreendo, Vossa Eminência Muito bem E agora eu tenho notícia que devem ser mais de seu agrado Temo, intimamente, que nosso difícil armistício com a Espanha está condenado Meu coronelato? Sua patente foi preparada Oh, obrigado, tio, obrigado Ah, mais uma coisa Ontem à noite, no teatro, o duelo de rima, aquele soldado com o nariz – Bergerac, aquele Gascão impossível – Sim, impossível – Seu tratamento para com Montfleury – Abominável – A arrogância com que terminou a peça – Incrível – Será um milagre se o Visconde sobreviver – Uma tristeza O que o senhor fará com ele, Vossa Eminência? Eu? Nada Pensei que poderia deixar isso para você Para mim? Sim. Coloque-o em algum lugar a seu serviço, com um soldo confortável Ele parecia um pouco surrado Eu… Vossa… Mas, Eminência Você detesta duelos Claro que sim Por que você não os previne? Preferiria muito que o senhor de Beregrac viva pela pena, ao invés de morrer pela espada Você não concorda, Antoine? Plenamente, Eminência Plenamente ‘E então, quando eu terminar o refrão uma ferida mortal.’ (bagunça na loja de Ragueneau) (comemoração barulhenta pela vitória de Cyrano contra a ‘centena’ de bandidos) (Antoine Conde de Guiche entra) Monsieur de Bergerac Vossa Excelência Eu venho expressar minha admiração por suas façanhas na noite passada Realmente. Obrigado Meu caro amigo, podemos ter tido nossas diferenças, mas estou disposto a esquecê-las Isso é muito generoso de sua parte, senhor Não, é verdade Você é, ao que parece, um homem de muitas habilidades Uma combinação rara de soldado e poeta – Gostaria de se juntar aos meus seguidores? – Não, senhor Eu não sigp Disseram-me que você tem escrito uma peça Como você sabe, meu tio, o Cardeal, é também um dramaturgo Eu poderia ajudá-lo lá Cyrano, agora, finalmente, você pode tê-la encenada Por que não? Eu poderia levá-la para ele Sério? É claro Deixe ele reescrever algumas falas aqui e acolá, e ele encontrará um teatro para você Reescrever… minhas falas? Impossível Uh, quando ele gosta de uma coisa, ele paga bem Sim, mas não tão bem quanto eu Quando eu faço uma fala que canta em si, eu pago a mim mesmo uma centena de vezes Você é orgulhoso, meu amigo Você notou isso?

– Cyrano. Olhe o que encontramos na rua Plumas caíram durante o vôo daquelas belas aves que mostraram suas penas do rabo! (risos) O homem que contratou aqueles canalhas, deve ser um homem nervoso hoje Quem foi? Você sabe? Fui eu Contratei-os para fazer o tipo de trabalho do qual não sujamos nossas mãos Punir um poeta insolente Eles devem ser selados antes de esporados (risos) O que devemos fazer com eles? Senhor, você não vai devolver esses aos seus amigos? Você já leu Dom Quixote? Sim, e me encontrei sendo o herói Seria bom ler mais uma vez a captura dos moinhos de vento Capítulo 13 Moinhos de vento, lembre-se, se você luta com eles pode girar em seus braços enormes e ser arremesado para a lama Ou até às estrelas Senhores Senhores Senhores Você conseguiu Você fez seu destino Ele estava disposto a esquecer Lá vem você de novo, rosnando Sim, esta sua pose ultimamente, arruinando todas as oportunidades que se apresentam a você, torna-se exagerada Muito bem então, eu exagerei Há certas coisas neste mundo um homem faz bem em levar a extremos Sua preciosa independência Sua pluma branca Como você espera para ter sucesso na vida? Que queres que eu faça? Procurar o patrocínio de algum grande homem e como uma videira em uma árvore alta, rastejar para cima onde eu não possa ficar sozinho? Não, obrigado Ser um palhaço na esperança vil de arrancar um sorriso de um rosto frio Não, obrigado Comer um sapo no café-da-manhã todos os dias Tornar meus joelhos calejados Cultivar uma coluna flexível Desgastar minha barriga rastejando na poeira Não, obrigado Com a mão esquerda coçar as costas de qualquer suíno que fuçar ouro para mim enquanto a minha direita, muito orgulhosa de saber negócio de sua parceira, leva a taxa Não, obrigado Devo usar o fogo que Deus me deu para queimar incenso durante todo o dia? Não, obrigado Lutar para insinuar meu nome nas colunas da Gazette? Calcular, esquematizar, ter medo? Amar mais fazer uma visita do que um poema? Buscar introduções, favores, influências? Não, obrigado Não, eu lhe agradeço, e outra vez eu lhe agradeço Mas, cantar, rir, sonhar, andar no meu próprio caminho, livre com os olhos a ver as coisas como elas são Uma voz que significa masculinidade Para andar com os sapatos certos E uma palavra, um sim, um não, para lutar, ou escrever, mas nunca para fazer uma linha que eu não tenha ouvido em meu próprio coração Para viajar qualquer estrada sob o sol, sob as estrelas, sem se importam se fama e fortuna estão para além das bordas No entanto, com toda a modéstia de dizer, minha alma se satifaz com flores, com ervas daninhas, com espinhos, até mesmo, mas reunidos em um jardim que você pode chamar de seu Em uma palavra, eu sou muito orgulhoso para ser um parasita E se meu intelecto, o germe que cresce para o céu altaneiro como o pinheiro da montanha, eu posso não ficar alto, mas sozinho Sozinho, sim, mas porque ficar fazendo inimigos? Observando os outros fazendo amigos… por todas as partes, como um cão faz amigos Eu marco o modo dessas cortesias canina, e penso, aí vem, graças a Deus, outro inimigo Sim, diga isso para todo o mundo, e depois para mim diga baixinho que ela não ama você Deixe-me ficar sozinho por um momento Cyrano, espere Dê-nos a sua versão da luta Depois Não, a história! Oh, deixe-no sozinho Não há tempo suficiente Eu quero agora! Como um exemplo para que os jovens girinos sumam porta a fora Você aí Você está se dirigindo a mim? Sim, seu fazendeiro normando de pé chato Deseja algo de mim? Ouça, o senhor de… de… de seja lá qual for seu nome De Neuvillette! Barão Christan de Neuvillette Muito bem, de Neuvillette Como você é um novato aqui, você deve saber que há um certo assunto ou objeto, se preferir, que nunca é mencionado entre nós E isso é…? Olhe para mim! (tocando seu nariz) Você entendeu? Você quer dizer…? Nunca falamos essa palavra

Até mesmo respirar tem a ver com ele Ele tem exterminado vários cujo tom de voz simplesmente sugeriu Você morreria antes de sua hora? Basta mencionar algo convexo Ou cartilaginoso Uma palavra. Uma sílaba Um gesto. Não, um espirro E o seu lenço torna-se-á sua mortalha Capitão Senhor? Qual é a coisa certa a fazer quando Gascões ficam demasiadamente orgulhosos? Provar-lhes que se pode ser um normando e ainda sim ter coragem Eu lhe agradeço Vamos, Cyrano, a sua história (gritos de encorajamento) Agora, deixe-me ver Por onde devemos começar? Eu segui com o nosso anfitrião para encontrar esses canalhas sem saber por onde eles poderiam atacar Sem lâmpadas naquelas vielas estreitas Nenhuma lua no céu Escuro. Tudo escuro Estava tão escuro, Mon Dieux, você não pode ver além Do seu nariz! Quem… é aquele… homem ali? – Um novo recruta – Chegou na semana passada Um recruta, eh? Ha, ha Seu nome é Christian de Neuvillette Estou a ver Muito bem Como eu estava dizendo Escureceu Você não podia ver sua mão a frente de seus olhos Eu marchei adiante pensando sobre a sorte de um poeta amador – Que escrevia um verso sempre que ele – Dava uma assoada Sempre que ele tinha uma idéia., e podia encarar um homem perigoso Poderoso o bastante para me fazer Senhor do seu próprio nariz! Pagar para ver! Afinal, pensei, por que eu estou metendo o meu – Nariz! Metenando minha colher em uma briga que não era minha, No entanto, agora que estava ali, Posso também ir terminar a perrenha Vamos Gascão, faça seu dever De repente, uma espada brilhou no escuro! Eu a apanhei justo No nariz! Em minha lâmina! Antes de saber, lá estava eu Esfregando o nariz! Cruzamento espadas com alegria ímpar Eu estava ao fundo então Torci o nariz! Uma plantação monstruosa (respiração forte) Ele desceu como uma onda Eu me preparei Para dar uma respirada Para atacar dois deles Outra estocada, e eu defendido Atrás do nariz! Saiam daqui! Todos vocês, vão! Deixe-me com ele Meu respeito, senhor Você tem coragem – Isso me agrada – Por quê? Venha, você não sabe que eu sou seu irmão? De quem? Dela. Roxane Irmão? Você? Bem, um primo distante Dá no mesmo – Então ela lhe disse? – Tudo – Ela me ama? – Talvez Meu caro senhor, mais do que eu possa dizer. Sinto-me honrado – Subitamente – Oh, por favor, me perdoe Se você soubesse como tenho o admirado – Sim, sim, e a todos esses narizes – Por favor. Peço desculpas Roxane espera uma carta – De mim? – Sim, por que não? Oh, No – Uma vez que eu escreva, estragará tudo – Por quê? Porque, qualquer estudante pode escrever mais graciosamente do que eu Um tolo! – Você não me atacou como um tolo – Qualquer um pode provocar uma briga Não, eu nunca perco as palavras entre os homens, mas com qualquer mulher paralisado… sem fala, mudo Eu sou um desses idiotas gagos, que não podem cortejar uma dama Sério? Quanto a mim, me parece que dada a oportunidade, e se eu colocar minha mente para tanto, eu poderia fazer isso muito bem Ah, se eu tivesse palavras para dizer o que eu tenho aqui! Se eu fosse belo como você Juntos, poderíamos fazer um esplêndido herói de romances Se eu ao menos tivesse a sua sagacidade Pegue-a emprestado, então O quê? Diga-me, Você teria coragem de repetir a ela as palavras que eu lhe daria a cada dia?

Enviá-la as cartas que eu escrevo? Quero dizer, que Roxane não deva se desiludir Vem, vamos ganhá-la os dois juntos? Para você? – Por que, Cyrano – Christian, por que não? Eu… eu estou com medo Com medo de que quando você tê-la sozinha, você irá perdê-la Não tenha medo, é a ti que ela ama Dê-lhe a si mesmo a ela Coloque em palavras, minhas palavras… em teus lábios Você faria? Você faria? Isso significa tanto para você? Significa Significa uma comédia, uma situação para um poeta Vem, vamos colaborar? Eu serei o seu manto de trevas, sua espada encantada, seu anel de charme a fada madrinha Pense! O prêmio não vale o risco? Meu amigo! Meu amigo Leve meu coração Terei tudo o mais Arrancando as flores, vamos manter a planta em flor Assim, eu amo você, minha querida Idiota Há uma dúzia de maneiras de se ler esse verso Você não pode dar-lhe algum significado? Qualquer significado! ASSIM, eu amo você! Assim, Eu amo você Assim, eu AMO você Assim, eu amo VOCÊ, VOCÊ, VOCÊ Quem sabe o seu sorriso tenha conhecido algo perfeito Você é uma rosa branca, onde o amor encontra-se de tocaia por sua presa natural No jardim do meu coração, você é a mais eh, a mais perfumada flor Como o jovem broto sedento por chuva, como a águia procura o céu, como a onda abre caminho em direção à costa, meu coração anseia por você Bom, bom Sabe, você está começando a ter uma ideia das palavras – Palavras. Estou farto de palavras – Essas são as suas armas De que outro modo você irá conquistar? Sim, mas quando, quando? Eles estão lutando no norte, agora Você sabe disso O Regimento será convocado qualquer dia, e eu nunca nem mesmo a beijarei Paciência, meu jovem, paciência Tenho sido paciente Ora, ela vê o Conde de Guiche tanta vezes quanto ela me vê Você acha que ela está brincando comigo? Fazendo-me de tolo? Impossível Como você pode dizer? Como você sabe? Cyrano, você tem a confiança dela Você poderia descobrir Bobagem, eu digo Oh, muito bem Vou reconhecer o terreno Ouça, Cyrano, inteligentemente, discretamente Sim Com finesse E, uh, o que você acha de Christian após todas estas semanas? Ele é belo, mas ele é brilhante – E eu o amo – Ótimo! Uh, você acha ele intelectual? – Mais do que você, até – Hã? – Ah, eu não queria dizer – Não, não, não, estou feliz Nenhum homem tão lindo disse aquelas coisas Aquelas belas miudezas para tudo Às vezes, ele,. ele, ele cai em um devaneio Sua inspiração .. falha Mas depois, de uma só vez, ele diz algo absolutamente Ah! Sério? Como um homem! Você acha que porque um homem tem um rosto bonito, ele deve ser um idiota Não necessariamente Uh, ele fala bem sobre, uh, assuntos do coração? Ele não fala. Ele romantiza. Ele sonha Apenas a outra noite ele me disse, extemporaneamente, você veja Ah, claro ‘Tome meu coração Terei todo o resto.’ ‘Arranque as flores, vamos manter as plantas em flor.’ Bem? Umm, passável Ele escreve bem? Maravilhosamente, ouça: ‘Saber que você armazena mais coração para dar – do que eu possa encontrar espaço para…’ – Primeiro ele tem coração demais, depois muito pouco. Quanto coração ele precisa? Você está provocando Você está com ciúmes! Ciúmes? Sim Os poetas são todos iguais Você ousaria criticar estes versos? ‘Apenas acredite que para tu meu coração clama.’ ‘E escrevendo, escreve mais do que você recebe.’ ‘enviando-lhe beijos através de meus dedos.’ ‘Dama, oh, leia a minha carta com seus lábios.’ Sim, esses últimos versos, mas ele substituiu Ouça estes Você sabe todos eles de cor? Cada um Bem, eu posso chamar isso de lisonjeiro Ele é um mestre – Oh, vamos – Sim, um mestre Huh, um mestre se você deseja E, uh, quando você entregará a coroa de louros?

Quantos prodígios de poesia este novo Hércules deve realizar? Eu não sei Meu amigo, vocês homens possuem o mundo e tudo que está nele Mulher é na melhor das hipóteses um prêmio, uma propriedade avaliada como um cavalo ou um cão, exceto pela maciez e brilho da pele e rigidez dos dentes e dos membros Bem, se eu devo ser um bem, que os termos do contrato sejam meus, e o preço de acordo aos meus próprios valores Aqui Estou vendo Christian me diz que você se encontrará com ele hoje O que você tratará com ele? Oh, nada, e tudo Devo dizer, fale comigo sobre o amor em suas próprias palavras Improvise, romantize Seja eloquente Mas você não irá dizer-lhe, vai? Ah, mas isso nem pensar Madame, Conde de Guiche (Suspiro) Madame Monsieur Madame Monsieur – Christian, rápido – Não – Ainda há tempo para aprender seus versos – Não Eu tenho algumas frases brilhantes para você, brilhantes, sensíveis Não Eu não farei mais isso Tomar todas as minhas palavras, minhas frases, de você, – Fazendo de nosso amor um pequena comédia – Não é vê Foi um jogo no início, mas agora ela se importa Hein? Graças a você Uh Eu não tenho mais medo Agora falarei por mim Ah, sem dúvida Eu vou. Você verá! Além disso, eu sei o suficiente para ter uma mulher em meus braços, e esta noite, eu terei (batendo na porta) – Christian! Obrigado, meu amigo, e adeus – Christian, eu lhe imploro – Deixe-me! – Você está cometendo um grave erro – Vá embora! Que assim seja (porta se abre) Christian Roxane Estou tão feliz que você esteja adiantado Vamos ficar aqui fora ao luar É tão agradável Sente-se Bem Agora, fale Eu te amo Sim, me fale do amor Eu… amo você Agora, seja eloquente Seja brilhante para mim Nesta noite de todas as noites Eu amo você… tanto Você fez sua cena Agora, improvise, romantize Eu amo você… muito! Peço por creme e você me dá leite e água Diga-me em primeiro lugar, Como você me ama Muito! É tudo o que você sente? Seu pescoço, se ao menos eu pudesse beijá-lo Christian! Mas, Roxane, eu te amo Novamente Não, novamente não Eu não te amo Assim é melhor Eu… Eu te adoro! Oh! Eu sei que pareço absurdo E isso me aflige mas do que se você tivesse ficado feio! Por favor. Reúna seus sonhos em palavras Eu… ah, eu Eu sei. Você me ama! Boa noite! Oh, mas espere, por favor! Eu ia dizer Que você me adora Sim, eu sei disso também – Não, vá embora – Eu (bate a porta) (Cyrano bate palmas) Um grande sucesso Ajude-me Eu não. Fale por si, meu amigo Mas eu… Eu não posso Bem, pelo menos você sabe o suficiente para ter uma mulher em seus braços Oh, Cyrano, por favor! E fazer do seu amor uma pequena comédia? Cyrano, eu não posso viver a menos que eu a reconquiste Agora! Agora. Como diabos eu posso lhe ensinar agora (Christian) Sua janela – Ajuda-me, Cyrano, me ajude – Shhhh (Cyrano) Parece bastante escuro (Christian) E então? E então? (Cyrano) É mais do que você merece

(Cyrano) Tentarei descobrir o que se pode fazer (Cyrano) Fique ali (Cyrano) Idiota, aqui, diante da varanda Vou lhe sussurrar o que dizer – Ela vai ouvir – Shhhh. Chame-a (Christian) Roxane (Christian, mais alto) Roxane (abre a janela da varanda) Quem está chamando? Christian Você novamente Eu… tenho de lhe dizer Não. Vá embora Você não vai me dizer nada Por favor Você não me ama mais (Christian repetindo Cyrano) Não, não mais Eu te amo cada vez mais, e cada vez mais e mais Oh, um pouco melhor O amor cresce e luta como uma criança pirracenta Partindo meu coração Seu berço Melhor ainda Mas, tal bebê é perigoso Por que não o ter sufocado ainda recém-nascido? E assim eu o fiz E ainda assim vive Descobri, assim como voc você descobrirá que este recém-nascido e Hércules infantil! Bom Bastante forte ao nascimento para estrangular aquelas duas serpentes: dúvida e quê? Orgulho! Muito bom Apenas diga-me, porque você fala tão hesitante? Sua imaginação ficou… aleijada? (Cyrano) Isto está ficando muito difícil Suas palavras hoje hesitam, por quê? Através da escuridão quente do Verão, elas tateiam nas trevas em direção à sua luz Minhas palavras são carregadas de mel, como abelhas trabalhando No entanto, elas devem voar tão alto Aproxime-se então Fique no banco Não Então eu vou descer NÃO! E porque tão grande não? Deixe-me desfrutar do único momento que jamais tive Minha única chance para falar com você… invisível Invisível? Sim. Sim Noite fazendo todas as coisas vagamente belas um véu sobre nós dois Você não precisa de olhos para ouvir meu coração Oh, hoje à noite, deixe parecer como se eu falasse pela primeira vez Pela primeira vez? Sim Até sua voz, não é a mesma Como poderia ser? Eu tenho uma outra voz hoje Minha, eu mesmo,… ousando! Por que ousando? Porque, o que eu sou, o que é um homem que se atreve a querer você? Portanto, o meu coração se escondeu atrás de palavras poéticas e frases adornadas Mas elas não são doces, essas frases bonitas? Não bastante doce para você e eu esta noite Você nunca falou comigo assim Digo-lhe, chega um momento, certa hora, e que os Céus ajudem aqueles que passam por esse momento, quando a beleza está olhando para a alma com grave, doces olhos, que adoece com palavras bonitas Sim… isso é amor Amor Um amor além da respiração, além da razão, além da própria capacidade do amor de amar Seu nome é como um sino de ouro pendurada no meu coração, e quando eu penso em você eu estremeço, e o sino balança e soa, Roxane! Roxane! Por minhas veias… Roxane Sim… isso é amor (Cyrano) Sim… isso é amor Esse vento de beleza terrível e ciúmenta, esse fogo escuro, essa música cegante que se eleva No entanto, você pode tomar a minha felicidade para fazer você mais feliz mesmo que você Nunca saiba que eu a lhe dei Apenas deixe-me ouvir, às vezes, sozinho, o riso distante de sua alegria Você começa a entender um pouco? Pode sentir minha alma na escuridão, respirar por você? Ah, só esta noite, agora me atrevo a dizer estas coisas Eu a você, e você as ouve É a minha voz, minha, própria que te faz estremer lá na penumbra verde, acima de mim, para fazer você estremer como uma flor entre as folhas, você estremesse, e eu posso sentir de cima a baixo ao longo deste ramo de jasmim Ainda que você não segure sua paixão por estremesser Sim, eu estremesso E choro, e eu te amo, e eu sou sua, e você me fez isso Tenho feito isso para você Eu mesmo Apenas deixe-me perguntar mais uma coisa Eu quero um beijo! Você me pede um Eu… sim Isso quer dizer Quero dizer Você já foi longe demais Se ela está querendo, porque não fazer o desejo?

Eu, eu peço Eu sei que eu pedi muito Só um? Isso é tudo? Tudo? Quanto mais do que tudo? Eu sei que lhe assustei, Eu… eu peço, peço que recuse Por que? Por que? Por que? Christian, fique quieto O que disse? Estou com raiva de mim mesmo, porque eu sei que vou longe demais e assim eu digo para mim mesmo CHRISTIAN, FIQUE QUIETO! Cuidado, alguém vem Bem, senhor, eu estou procurando a casa de madame Roxane Robin Esta não é a casa. Por ali Para a direita. Mantenha-se à direita Eu lhe agradeço, senhor Digo-lhe, minhas contas para você até a última Ganha-me aquele beijo? Não! Mais cedo ou mais tarde Isso é verdade Mais cedo ou mais tarde deve ser, porque ela é jovem e você, bonito Já que é para ser, prefiro eu ser a causa, se for para ser (abre a janela da varanda) Você ainda está aí? (Cyrano) Sim Estávamos falando de – Um beijo – Um beijo E o que é um beijo quando tudo é terminado? Um voto tomado ante o santuário da memória Um perna rósea no “m” de amar – Um sussurro secreto para se ouvir o passado Shhh Um momento livre de mortalidade, uma batida de asas do Éden Um sacramento de flores Uma nova canção cantada por dois corações de uma melodia simples e antiga Cale-se Por que? Vergonha? Não. Nenhuma vergonha Então venha Reúna suas flores sagradas Seu momento se fez imortal Suba! – Mas, subir? – Muitos mais! Roxane (suspiro) Ah, Roxane Eu conquistei o que eu queria Uma banquete de amor, e estou a desmaiar de fome No entanto, tenho uma coisa aqui que é meu agora, e não era meu antes Eu falei as palavras que a conquistou Ela beija minhas palavras Minhas palavras… em seus lábios (portão abre) Como, querido Padre, se perdeu novamente? Mas, ela vive aqui, Madame Robin Oh, eu pensei que você disse, Rolen Não, R.. O.. B.. I.. N, Robin Oh, Robin, ah sim Estou muito velho para perseguir gansos selvagens – Meus pés – Oh, que pena, (batendo na porta) No entanto, tenho certeza que há alguém em casa (porta abre) O que é? Sim, eu estou procurando pela jovem dama, Senhora Rolen Rolen? Robin! Madame! Uma carta para a senhora Sim, sim, eu ouvi Cyrano Uh, passando por acaso, Eu vi essa luz Uh, algum assunto proveitoso para a alma Um senhor nobre entregou-me (Christian) O que é? Meu Regimento foi ordenado para o front. Eu não posso permitir que você protele por mais tempo. Este simples monge velho, que não sabe de nada, irá nos casar hoje à noite Com amor, Antoine de Guiche. Padre, esta carta lhe diz respeito “Madame, o Cardeal está a caminho, “embora contra a sua vontade “É por isso que estou enviando ista carta a você, “por um homem santo “Inteligente, discreto “Você vai comunicar para ele a fim de realizar “aqui e de uma só vez o rito do matrimônio sagrado “Você e Christian serão casados privadamente em sua casa “Terá baixa do Comando do Cardeal, “o qual envia na oportunidade, suas bênçãos “Seu muito humilde, e etc…” Ah, isso é terrível Oh, você será o EU serei o noivo Uh, olhe aqui. Um postscript “Dê ao mosteiro, em meu nome, 120 peças de ouro.”

Cento e vinte Ah, um senhor digno Um senhor muito digno Filha, resigne-se Estou resignada De Guiche está chegando também Não o deixe entrar Não o deixar entrar? Até que nós estejamos casados, por favor (porta é fechada) (Conde) O que é isso? (Cyrano) Eu? – De onde você veio? – A lua – Você – Da lua Acabo de regressar da lua – O homem é louco! – Como uma bomba, digo a você, – Caí da lua! – Seus pés devem – Eu digo A LUA! – Muito bem, se você diz – Obrigado – Louco varrido – Onde estou? – Meu caro senhor! – Que lugar é este? Que país? – Por favor, deixe-me passar – Esse rosto, céus! Um ladrão. Onde estou? – A senhora está me esperando – Oh, isso é Paris, não é? Seu idiota! Querida e velha Paris Desculpe-me a aparência Eu cheguei no último relâmpago Um estorvo chamuscado ao passar através do éter Monsieur! Senhor? Isso vai dar. Eu espero Eu sei, você deseja procurar minha própria lista de qualidades para luas e felicidade e caráter de sua superfície, se houver Eu desejo tal coisa, eu Claro que não Você deseja saber por quais misteriosos meios eu cheguei à lua Bem, um assunto de Estado muito segreto, mas confidencialmente, uma nova invenção minha Bêbado, duplamente Bem, um homem Oh, não. Na verdade eu tive minha chance em várias invenções Ãh? Sim, de diversas maneiras de se violar o céu virgem Diversas? Diversas Como, por exemplo, fumaça, tendo uma tendência natural de subir, enche-se um globo o suficiente para me levantar Sim, essa é uma Também, eu poderia construir um foguete na forma de um gafanhoto ENORME conduzido pelo impulso de salitre na retaguarda e assim, em alta velocidade, como assim! Sim, outro? Finalmente, sentado em um prato de ferro, arremessando um ímã para o ar O ferro segue Eu pego o ímã Jogo novamente, e assim prosseguigo indefinidamente Excelente, e qual você adotou? Nenhuma delas Outra Qual foi…? Adivinhe Ahhh, eu não posso! Tente Idiota Interessante, este Você já adivinhou? Não, o que é? Infelizmente, você nunca saberá, mas não importa Você é livre e eles são presos pelo matrimônio Eu reconheço essa voz, e esse nariz, Cyrano! Cyrano. Neste exato momento eles trocam votos Quem? Meus sinceros cumprimentos Você, também, caro viajante do espaço Meu Senhor, os chefes de Capathieu e Joyce se uniram Isso mesmo! Madame, gentilmente lance sua despedida ao seu… marido Seu Regimento parte à noite, senhor Apresente-se! Mas, os cadetes não são chamados Eles são, de fato, e sob o meu comando Lá podemos ajustar as contas De alguma forma, essa notícia não conseguiu me aquietar Aqui estão as ordens Barão, entregue isso Christian! A noite de núpcias não está tão próxima De alguma forma, essa notícia não conseguiu me aquietar Barão, você tem suas ordens Adeus, Roxane Cuide dele, por mim Prometa-me nunca deixá-lo fazer nada perigoso Eu farei o meu melhor Eu não posso prometer Eu sempre te achei valente Faça-o ter cuidado Sim, sim, eu vou tentar Certifique-se de mantê-lo quente e seco! Sim, se possível Faça-lhe escrever para mim todos os dias! Isso, eu lhe prometo (a guerra com a Espanha)

Alto! Oh! (Madame Baronesa de Neuvillette, Rue Marais No. 12, Paris) A situação é simples, senhores Sitiamos Arras O Príncipe da Espanha nós sitiou Conseqüentemente, nós estão cercados – Bela guerra. Em que os sitiantes estão sitiados e morrem de fome Sim, mas o Marechal concebeu um plano brilhante para trazer alimentos nesta mesma noite Agora, vejam aqui Poupe-nos dos detalhes, Coronel Apenas nos informe quando a comida chega É verdade, nós estamos famintos Mas por que me culpar? Eu sou apenas seu Coronel Ah, sim, eu sei que vocês me refutam Chamam-me de cortesão, político Bem, eu posso aguentar seus ódios Minha conduta sob fogo é bem conhecida Ontem mesmo repeli um ataque espanhol Despejando meus homens como uma avalanche Eu, eu mesmo, liderei o ataque – E o seu lenço branco? (através de um cano de canhão) Cyrano! E o seu lenço branco? Eh, você ouviu esse episódio? Sim, eu estava tão longe no avanço que estava em perigo de ser capturado Mas eu pensei rapidamente, arranquei e acenei o lenço que marca minha patente militar E assim sendo discreto escapei entre as minhas próprias forças, reagruparei-os, retornamos, e ganhamos o dia O que você diz disso? Ainda assim, não é suficiente para se renunciar o privilégio de ser um alvo Que agradável para você ter negado esse privilégio Agradável? Empresta-me o seu lenço Com sua permissão, irei liderar o primeiro ataque da noite usando-o em meu ombro Que arrogância Você está seguro fazendo essa oferta, e você sabe disso Meu lenço se encontra na margem do rio, entre as linhas Um ponto varrido pela artilharia Impossível chegar vivo Sim Aqui (risos) Obrigado Este pedaço de branco é o que eu preciso para fazer um sinal Eu estava hesitante Você decidiu-me – PAre ou eu atiro! – Suspendam fogo Há um homem lã embaixo fugindo Sim, um espanhol Mas muito útil como espião para ambos os lados Como eu estava prestes a lhes dizer O Marechal deteve mais de metade das nossas forças aqui Felizmente, os espanhóis não sabem disso Ah, sim, eles sabem agora, e eles vão atacar hoje à noite Bem aqui Sua vingança, sim? Eu não finjo muito amar você Mas desde que os senhores estimam-se invencíveis, o mais bravos dos bravos, e tudo mais Porque nós precisamos ser íntimos? O Marechal precisa de uma divergência, e eu servi-lo em escolher como eu escolhi Como você pode ver, Capitão, o principal é ganhar tempo Para aguentar até o retorno do Marshal – E para ganhar tempo? Vocês todos serâo gentis em comprometer suas vidas Christian? Sim Roxane? Eu gostaria de dizer adeus a ela com todo o meu coração para ela tê-lo Eu tomei a liberdade de Mas, espere

Esta pequena mancha Mancha? Sim Uma lágrima Não é nada Um poeta quando escreve é como um amante nos braços de sua dama, acreditando que sua imaginação, tudo parece real Essa é metade do encanto da escrita Enfim, eu fiz essa letra tão patético, que, enquanto eu estava escrevendo, eu chorei Você chorou? Sim, porque morrer é uma pequena coisa, mas não a vê-la Isso é terrível Eu nunca Você nunca Dê-me isso – Alto. Quem vem lá? – A serviço do Rei – O Rei! – Sentido Boa noite A serviço do Rei, você? – Senhores – O que você está fazendo aqui? – Ouvimos rumores em casa que vocês passam fome, – Então, viemos preparados Os espanhóis adoraram a janta, mas perderam o prato principal! (soldados clamam por comida) Mas por que você veio aqui, neste perigo? Eles disseram em Paris que não havia luta Além disso, a culpa é sua Pense nas cartas que me escreveu Quantas vezes! Todos os dias! Todos os dias? É claro E cada uma mais maravilhosa do que a outra Tudo isso por algumas cartas de amor absurdas Quieto. Absurdas? Suas cartas… não, nunca Cada uma era como ouvir a sua voz naquela noite, no escuro. Lembra-se? Tal como os seus braços em volta de mim Eu as leio e releio Cada página é como uma pétala caída de sua alma Como a luz e o fogo de um grande amor – Doce e forte e verdadeiro – Doce Forte Verdadeiro? Oh, meu Christian Eu vim aqui para pedir perdão É tempo para ser perdoada Agora, quando nós podemos morrer em breve Perdoe-me por ser fútil e vã e só te amar porque você era bonito – Mas agora – Agora? Eu te amo por inteiro Pelo o que você é Roxane Como você deve ter sofrido Por ter visto como eu era frívola E ter sido amado pela mera fantasia, por um corpo pobre e casual que você veio Por uma alma como a sua, que deve ter sido torturada Não Eu entendo Você não pode acreditar perfeitamente em mim, um… um amor como este Não quero amor como esse Eu quero amor apenas Apenas pelo que toda mulher vê em você Eu posso melhorar isso Não… era melhor antes Você não me conhece completamente Eu fui uma criança Eu sou uma mulher agora – Se… se você fosse menos bonito, – Não Desinteressante, feio mesmo, Eu ainda sim te amaria Você fala sério? Falo sério Feio? Mesmo assim Agora, você está feliz? Sim O que é? Nada, apenas, Cyrano Cyrano Ele tem algo para lhe dizer Aonde você vai? Eu… vou… voltar… em um instante Cyrano Sua mulher, senhor, ela vai comigo? Não, senhor, ela permanece Ainda há tempo para ela escapar Ela fica! Muito bem Alguém me dê um mosquete Eu fico aqui também Senhor, você mostrar coragem Como? Devo fugir e deixar uma mulher? Coronel, os meus cumprimentos, senhor O que aconteceu com Roxane? Aguarda Bem, o que é? Você parece tão Ela não me ama – Você acha que não? – Ela ama você – Não – Ela só ama a minha alma

– Não – Sim! Isso significa você E você a ama – Eu? – Estou a ver. Eu sei Você escreveu para ela, todos os dias, sempre! – Perfeitamente simples – Simples? Durante um mês, estivemos bloqueado aqui Como você enviou todas aquelas cartas? Antes do amanhecer, eu dava um jeito Para encarar a morte diariamente Você a ama Sim Diga-lhe isso – Não – Porque não? Por quê? Olhe para mim Ela me amaria mesmo se eu fosse feio – Ela disse isso? – Sim. Agora, vá para ela Tolice. Não acredito em tal loucura Volte para ela Você nunca será feio Vá! É você quem ela ama Isso é o que veremos Não, não! – Deixe que ela escolha entre nós – Não – Conte-lhe tudo – Por que você me tortura? Devo arruinar a sua felicidade, porque nasci com uma cara bonita? Eu estrago a sua, porque acontece de ter poder de dizer o que talvez você sinta? – Diga a ela! – Não me pressione! – Estou cansado de ser o meu próprio rival – Difícil saber Meu casamento secreto, isso pode ser anulado, eu espero Eu quero que ela me ame sendo o pobre tolo que sou, ou nem tanto Ah, eu estou cheio disso Eu saberei de um jeito ou de outro Agora, vá! Diga a ela Deixe que ela escolha um de nós Será você Espero que sim – Capitão! Os artilharia espanhola está saindo Começou Eu preciso de um rastreiador Onde está Cyrano Capitão Deixe-me ir Não, meu rapaz, Cyrano sabe o terreno. Ele conhece as suas linhas Eu também Por favor, permita-me Muito bem Temos de saber de que direção eles avançam Seu peso e número Eu entendo Roxane Cyrano Christian pensa Christian pensa que você deveria saber que Mas eu já sei Ele ainda duvida do que eu acabei de lhe dizer Eu vi isso Sim, mas… era verdade, o que você acabou de lhe dizer? Era verdade Eu disse que eu deveria amá-lo, mesmo se ele fosse A palavra surge difícil ante a mim? Diga, não vai me ferir Feio? Mesmo assim, ainda o amaria Desfigurado Ou desfigurado Mesmo… grotesco Como ele poderia ser grotesco, para mim? Mas, você poderia amá-lo tanto quanto? Sim, e muito mais Roxane (disparos) O que é? Eles estão lutando? O que está acontecendo? – Os espanhóis avançam, mas há tempo – Onde está Christian? – No parapeito Ah, claro O que você quer me dizer? Roxane acredite em mim, isso é difícil, e desta vez me falta palavras Christian pediu-me para Ele me disse Christian! A seus lugares, senhores Ele está morto? Não, mas morrendo Não vou deixá-lo! Cyrano… você? Sim, meu amigo. Eu disse a ela Ela ama você Roxane Sim, meu querido Christian! Ele não está morto? Sim (suspiro) A hora chegou de você partir, agora Verdade, ele está morto Ninguém mais o conhecia, exceto você Ele não foi um herói? Sim, Roxane Um coração mais profundo do que sabíamos Sim, Roxane Um poeta Uma alma magnificamente terna Sim, Roxane Mas ele está morto agora (cai soluçando) Mas, também estou Pois eu estou morto e meu amor por mim chora e não sabe Nunca saberá

(tiroteio rápido) (corneta toca) Levem-na, rapido Espere Uma carta sobre o seu coração (choro) Tenho duas mortes para vingar, agora, A de Christian… e a minha Fogo! Rendam-se ou morrerão! (de Guiche) Olhem! O sinal! Ah! Nós lutamos. Morremos Nós lutamos novamente Quem são estes homens que gostam tanto de morte, um espanhol gritou Sem parar, eles vêm Então, quando tudo parecia perdido, ouvimos as trombetas de nossas tropas de retorno A batalha era nossa! Ah, você tem sorte, Sr. de Bergerac, você sobreviveu! Enquanto nós, perdemos nossa juventude Não há guerra e nem esperança para ninguém Nenhuma esperança para ninguém? Meu companheiro, eu acabo de perceber, ambos somos tolos Mas minha tolice é maior, porque eu sou um velho tolo O que é mais Tudo o que eu lhe disse era mentira Outra sátira para a Gazette? Sim Outra luva esbofeteada na face do Poder? Ah, por que você faz isso, Cyrano? – Por que você ataca – Estupidez? Engano? Corrupção? Estou velho demais para mudar Eu sou um cachorro velho sem nada, exceto seus dentes Ah, mas os dentes podem ser arrancados Isso pode ser doloroso Que infeliz insolente Esse canalha de Bergerac Desta vez ele foi longe demais Eu juro Ele assinou sua sentença de morte E quem vai entregar? Sua espada ainda é muito poderosa, meu amigo Há vãrias maneiras que homem pode morrer Quem sabe? Ele pode encontrar um acidente Em breve (Sinos da igreja) Mas, ah, me diga, Madame Quanto tempo você vai continuar aqui, sempre de luto? Para sempre Christian era tudo isso? Se você o conhecesse não perguntaria Sua última carta ainda está em meu coração

E, uh, Cyrano? Você o vê frequentemente? Toda semana. Meu velho amigo tomou o lugar da Gazette Ele me traz todas as novidades Todos os sábados sob aquela árvore lá fora Espero ele bordando A hora chega Eu não preciso olhar No último hora Eu ouço sua bengala tocando o chão Suas sátiras lhe renderam muitos inimigos Mas, eles ainda temem sua espada Ninguém ousa tocá-lo Hm, que pode até ser Não é a violência que eu temo por ele, Mas a solidão, a pobreza Os invernos cinzentos invadindo com pés de lobo seu quarto sombrio Parece-me que ele veste o mesmo casaco velho por muitos meses Eh, não é nada estranha neste mundo Você não precisa ter muita piedade dele Ele vive sua vida, sua própria vida a seu modo, pensamento, palavra e ação livres Meu Senhor Duque Ah, sim, eu sei Eu tenho tudo. Ele não tem nada No entanto, hoje, Eu deveria me orgulhar de apertar sua mão Ah, bem, adeus Será que eu vou te ver novamente? Venha sempre que quiser Então, você tem me perdoado Eu estou aqui Você sabe Quando um homem ganha tudo neste mundo, quando ele consegue muito, ele se sente, de alguma forma, mil pequenos desgostos consigo mesmo, a qual toda a soma não é exatamente remorso, mas sim uma espécie de vago desgosto, ilusões secas, lamentos de dor Sim, agora e depois, Eu invejo Cyrano O sentimento o homenageia (Rindo) Madame, devo dizer-lhe, é verdade que ninguém jamais ousararia atacar seu amigo Cyrano No entanto, no teatro na noite passada, eu ouvi algumas coisas Mantê-lo em casa tanto quanto puder Amanhã, quando vê-lo, diga-lhe para ter cuidado Eu lhe agradeço (Cyrano) Boa noite, Ragueneau (Ragueneau) Cyrano, não está indo embora? Você não vai jantar aqui comigo? (Cyrano) Minhas desculpas. Eu tenho um magnífico assado esperando por mim, um vinho raro, um presente de meu editor (Ragueneau) Certo, para ter certeza Uh, você já viu a nova peça de Molière? Não Heh, ah, bem O que é isso? Bem, ele Fale Ele roubou uma cena de você, palavra por palavra Você sabe, “Que diabo ele estava fazendo lá?” Aquela Ele roubou, inteira Bem, ele mostrou bom gosto É, uh, encenou bem? Oh, lindamente. Eles riram e riram Ah, como riram Molière foi um gênio Christian tinha boa aparência Comigo, foi sempre assim Boa noite, meu amigo (Homem) Pare aí (Homem) Você! (Cyrano) Você está se dirigindo a mim? Sim senhor, você, do nariz comprido Insolente – Escrevinhador malcriado – O que? – Mentiroso, plagiador! – Mentiroso (Assobiando para charrete) (Motorista chicoteia cavalos) Doutor Por que fingir? É muito grave Mantenha-o quieto a todo custo Se ele tentar se levantar, ele vai morrer Shhhh Obrigado (Fecha a porta) (Campainha do portão toca) (Porta abre)

Monsieur Ah, Irmã (Suspiro) Qual seu problema? Devo dizer-lhe alguma coisa, Irmã? Ontem, sexta-feira, você veja, eu comi carne de novo Sim, eu sei Isso é porque você está tão pálida Por favor, venha comigo para o refeitório antes de ir Eu vou lhe preparar uma grande tigela de sopa quente Claro, claro Você está bastante razoável hoje Talvez você me converta Oh, não! Não para o mundo Ora, agora eu penso nisso, é assim Você, cheio de santidade, e mesmo assim nunca prega Surpreendente E agora vou surpreendê-la Eu vou deixar você orar por mim esta noite, às Vésperas Absolutamente muda, né? Eu não esperava você dizer que eu poderia Que o Diabo me admire se eu não tiver esperanças de ver o final desse bordado Após 14 anos, atrasado pela primeira vez Sim Sim, enlouquecedor Fui detido por um visitante. Muito inesperados Um velho amigo meu Pelo menos um velho conhecido Disseste-lhe para ir embora? Por enquanto, sim Eu disse: desculpe-me, vejo que é sábado, Eu tenho um compromisso marcado E que eu não posso perder Mesmo por você Volte daqui a uma hora Seu amigo vai ter que esperar Não vou deixar você ir até escurecer Talvez um pouco antes do anoitecer, Eu devo ir Ah, então agora me diga as notícias da Corte. Minha Gazette Ah, sim, bem, deixe-me ver Sábado, 19, o Rei adoeceu após oito porções de geléia de uva Geléia de uva deixará de ser servida na corte Domingo, o pulso real está normal Segunda-feira, todos estavam falando sobre o sucesso da nova peça de Molière Terça-feira, o rei caiu doente depois de seis porções de marrom glacê Marrom glacê deixará de ser servida na corte Quarta-feira, o Conde de Firske falou com a senhora de Monte Glas Ela disse que… não Quinta-feira… Nada Sexta-feira, Madame de Monte Glas disse que sim Sábado, 25 Cyrano! O que é? Cyrano! – Oh, não, não, não é nada – O quê? A velha ferida em Arras às vezes – Meu pobre amigo – Não, não, não, não é nada Em breve passará (Suspiro) Aí. Se foi Nós todos temos nossas velhas feridas Eu tenho a minha aqui, sob este recado escrito desbotado É difícil de ler agora Devido as manchas de lágrimas Sua carta? Você não me prometeu que um dia você iria me deixaria ler? – Esta carta? Você deseja…? – Eu gostaria… hoje Abra-a e leia “Adeus Roxane, porque hoje eu morri.” Em voz alta? “Eu sei que vai ser hoje, minha amada

“Mas, meu coração ainda tão pesado de amor sem lher ter dito “E eu vou morrer sem lhe dizer “Meus olhos não beberão a vista de você como vinho, “Nunca mais com um olhar como um beijo, “seguirei sua doce graça.” Como você a lê. Sua carta “Lembro-me agora seu jeito “De empurrar para trás, uma mecha de cabelo em sua testa, com a mão, – “E meu coração chora …” – Sua carta! – “Chora e continua chorando.” – Você a lê – “Adeus, minha querida, minha queridpissima”, – Com uma voz – “Meu próprio coração” – “meu próprio tesouro”, – Com tal entonação! – “Meu… amor” Sim, eu me lembro de ter ouvido há muito tempo “Eu nunca estarei longe de você Até agora eu não te deixarei “Em outro mundo, eu ainda serei aquele que te ama, “Ama-te além da medida, além…” Mas, como você pode lê-la agora? E todos esses 14 anos ele tem sido o velho amigo que veio a mim para ser divertido – Roxane – Era você Não, não, Roxane, não E eu poderia ter sabido a cada vez que ouvi você chamar meu nome – Não, não era eu – Foi você! – Eu juro – As cartas. Foi você – Não – E as palavras queridas e tolas. Foi você – Não – E a voz no escuro. Foi você – Por minha honra! E a alma Era tudo você Eu nunca te amei Sim, você me amou Mesmo agora, você me ama (Suspiro) Não! E por duas vezes você o sabe Oh, não, não, meu querido amor, Não te amo Por que você ficou em silêncio por tantos anos? Durante todo o tempo Todas as noites, e todos os dias, ele não me deu nada Você sabia disso Você sabia que na referida carta jazida em meu peito Suas lágrimas Você sabia que elas foram as suas lágrimas O sangue era dele Cyrano! Aqui! Ele está aqui Oh, que imprudência Não Eu sabia! – Oh senhora, ele se matou vindo aqui – Não. Shh Essa bebida, o que é? Nada. Eu não terminei minha Gazette Sábado, 26, uma hora ou pouco antes do jantar Sr. de Bergerac morreu, vilmente assassinado Cyrano, que eles fizeram com você? Como o destino adora uma brincadeira Eis-me emboscado, apanhado de surpresa Meu inimigo nobre, um lacaio Meu campo de batalha, uma sarjeta Parece muito lógico Eles perderam tudo, até mesmo minha morte Irmãs! Irmãs! Não, não vá embora. Eu posso não estar aqui quando você retornar Você não morrerá (Soluçando) Eu te amo Não, minha senhora, não está na história Quando a bela disse amar a fera toda a sua feiúra mudou e dissolveu-se, como mágica Mas, veja você, Eu ainda sou o mesmo E eu tenho feito isso com você Você? Não Tudo culpa minha, minha! Muito pelo contrário Eu nunca conheci a feminilidade em sua doçura, apenas com você Minha mãe não gosta de olhar para mim Eu nunca tive uma irmã Mais tarde, eu temia os namorados com ironia por trás de seu sorriso Mas, por causa de você, Eu atravessei toda minha vida um sussurro vestido de seda Eu nunca amei, exceto um homem na minha vida Perdi-o, por duas vezes (Soluçando) Eu não teria cumprido menor luto, nobre Christian Mas, talvez, só peça isso, quando o grande frio abraçar meus ossos, você pode dar um duplo significado para seus votos de viuvês As lágrimas que você deixou cair por ele, pode, por um pouco, ser minhas lágrimas Oh, meu amor! Não, aqui não Não vamos cair Que ninguém me ajude Ninguém precisa me ajudar

Ele está vindo Sinto-me já calçado com mármore Enluvada com chumbo Muito bem, deixe o velho ir agora Ele deve me achar de pé Espada em punho Cyrano! Ele delira Vejo-o agora Ele sorri Ele está olhando para o meu nariz! Esse esqueleto Você aí Quem é você? Cem contra um, é? Eu os conheço agora, meus inimigos antigos Mentira, não! Ali, Preconceito! Compromisso, covardia O que é isso? Rendição? Não, nunca! Nunca! Ah, você também, vaidade Eu sabia que você ia me derrubar ao final Não, eu luto, eu lutarei, Luto… ow! (Ofegante) Todos os meus louros você os partiu E minhas rosas No entanto, apesar de você, há uma coroa Eu fiz longe de mim E hoje, quando eu entrar diante de Deus, minha saudação deve varrer as estrelas do limiar de azul Algo sem manchas, longe da corrupção do mundo, apesar da destruição, a minha própria, E é minha… pena… branca tradução: ceronte dez. 2010 Contribua tornando-se um usuário VIP e remova todos os anúncios do.OpenSubtitles.org